SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.2 número4Malária autóctone no Município de Rio Branco, Estado do Acre, Brasil, no período de 2003 a 2010Primeiro registro de Lutzomyia termitophila Martins, Falcão e Silva (1964) e Lutzomyia hermanlenti Martins, Silva e Falcão(1970)(Diptera: Psychodidae) no Estado do Pará, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

  • Não possue artigos citadosCitado por SciELO

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Pan-Amazônica de Saúde

versão impressa ISSN 2176-6223versão On-line ISSN 2176-6223

Resumo

MAGNO, Lílian Danielle Paiva; FONTES-PEREIRA, Aldo José  e  NUNES, Erica Feio Carneiro. Avaliação quantitativa da função sexual feminina correlacionada com a contração dos músculos do assoalho pélvico. Rev Pan-Amaz Saude [online]. 2011, vol.2, n.4, pp.39-46. ISSN 2176-6223.  http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232011000400006.

A sexualidade influencia o bem-estar de cada indivíduo e os músculos do assoalho pélvico (MAP) exercem papel importante na resposta sexual. O objetivo desta pesquisa foi verificar a possível relação da função sexual feminina com o grau de contração dos músculos do assoalho pélvico. A amostra foi composta por dez mulheres saudáveis, sem queixas de disfunções sexuais e/ou ginecológicas, sexualmente ativas, na faixa etária de 21 a 40 anos. Foi utilizado o questionário Female Sexual Function Index (FSFI) para verificar a função sexual e um perineômetro para mensurar a contração dos músculos do assoalho pélvico em mulheres na posição de decúbito dorsal. A partir da classificação do grau de contração dos músculos do assoalho pélvico, as voluntárias foram distribuídas em três grupos: G1 (Grau I), G2 (Grau II) e G3 (Grau III). De acordo com os grupos de contração, foi verificado se havia diferença entre os escores do FSFI entre os grupos e, também, o grau de contração foi correlacionado com o FSFI. Verificou-se que o G1 obteve escores no domínio desconforto/dor menores em comparação ao G2 e sem diferença estatística com o G3. Houve uma correlação positiva entre o índice da função sexual feminina e o grau de força da musculatura do assoalho pélvico. No presente estudo foi observada que, quanto maior a força de contração dos músculos do assoalho pélvico, melhor o índice da função sexual em mulheres saudáveis.

Palavras-chave : Sexualidade; Assoalho Pélvico; Saúde da Mulher; Força Muscular; Comportamento Sexual; Avaliação em Saúde.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português     · Português ( pdf )