Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 no.1A carga da doença associada com algumas causas de internação hospitalar realizada pelo SUS  ?dice de autores?dice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfab?ca de peri?os  

Epidemiologia e Serviços de Saúde
ISSN 1679-4974 versão impressa

 


Epidemiol. Serv. Saúde v.13 n.1 Brasília mar. 2004

®carregue o artigo em formato PDF

 
Como citar este artigo

EDITORIAL

 

A importância do uso dos sistemas de informação em estudos e pesquisas na área de epidemiologia

 

 

Pedro Luiz Tauil

Membro do Comitê Editorial

 

 

Este número da revista Epidemiologia e Serviços de Saúde apresenta aos leitores cinco artigos, dos quais três utilizam dados constantes de alguns dos grandes sistemas de informação existentes no Brasil: o Sistema de Mortalidade (SIM), o Sistema de Informação Hospitalar do Sistema Único de Saúde (SIH-SUS) ou o Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan).

O fato, extremamente relevante para o contexto dos estudos e pesquisas na área de epidemiologia, demonstra a crescente credibilidade científica nos dados provenientes dessas fontes. A abrangência e a qualidade dos sistemas de informação administrados pelo Ministério da Saúde vêm aumentando ano a ano, permitindo a elaboração de trabalhos de alto valor acadêmico e análises de extrema utilidade para o planejamento, organização e avaliação de serviços e programas por profissionais que constroem o dia-a-dia do Sistema Único de Saúde, nos diferentes municípios deste imenso país.

Os atuais sistemas nacionais de informação são resultado de vários fatores, entre os quais o desenvolvimento tecnológico na área de informática e os investimentos em capacitação e treinamento de uma infinidade de servidores das três esferas de governo, que os abastecem diariamente. Algumas informações de alto significado para a saúde da população já podem ser conhecidas nacionalmente, em tempo real de sua ocorrência. No artigo sobre a carga de algumas doenças-objeto de internação hospitalar na rede do SUS,1 o autor utiliza-se tanto do SIH-SUS como do SIM. Nos artigos sobre meningite por Haemophilus influenzae no Distrito Federal2 e sobre os eventos adversos associados à vacina tríplice em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul,3 os dados utilizados constam do Sinan.

Esta edição contém, ainda, um artigo de reflexão sobre o processo de implementação do SUS no Brasil.4 A partir da situação do Estado de São Paulo, os autores analisam a diretriz constitucional da descentralização dos serviços de saúde e de sua direção única em cada nível de governo. Aspectos profundamente relevantes são abordados, resultantes da prática de construção do sistema, onde, às vezes, a rigidez fundamentalista pode prejudicar o acesso e usufruto dos serviços de saúde pela população, objetivo maior do SUS. Os autores, experimentados gestores do sistema, citam exemplos concretos de como superar estes não previstos obstáculos à concretização do SUS.

Completa esta série de artigos um trabalho de campo sobre a prevalência da infecção pelos vírus da hepatite B e da hepatite Delta em Lábrea, Estado do Amazonas, bem como fatores associados a ela.5 Seus autores mostram o impacto causado pela introdução da vacina contra a hepatite B na redução do número de portadores crônicos da doença. Essa investigação de natureza epidemiológica não é apenas útil para o conhecimento da endemia na região, mas também fornece subsídios metodológicos de importância para os estudos de prevalência de doenças em geral.

A Epidemiologia e Serviços de Saúde cumpre, mais uma vez, sua finalidade de apresentar aos profissionais de saúde, professores e pesquisadores, a dupla importância da aplicação da epidemiologia: na compreensão da dinâmica das doenças de relevância para a saúde da população; e no planejamento e avaliação dos programas e serviços de saúde.

 

Referências bibliográficas

1. Monteiro MFG. A carga da doença associada com algumas causas de internação hospitalar realizadas pelo SUS. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2004;(13)1:7-14.

2. Freitas HSA, Merchán-Hamann E. Aspectos epidemiológicos da meningite pelo Haemophilus influenzae no Distrito Federal, Brasil, antes da introdução da vacina conjugada. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2004;(13)1:25-34.

3. Dourado I, Cunha SS, Maia MLS, Lima KMB, Soares BAC, Barreto ML. Eventos adversos associados à vacina tríplice viral com cepa Leningrad-Zagreb, nos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, durante as campanhas de imunização de 1998. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2004;(13)1:47-55.

4. Barata LRB, Tanaka OY, Mendes JDV. Por um processo de descentralização que consolide os princípios do Sistema Único de Saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2004;(13)1:15-24.

5. Braga WSM, Brasil LM, Souza RAB, Melo MS, Rosas MDG, Castilho MC, Fonseca JCF. Prevalência da infecção pelos vírus da hepatite B (VHB) e da hepatite D (VHD) em Lábrea, Rio Purus, Estado do Amazonas. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2004;(13)1:35-46.

 

© 2014  Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços / Secretaria de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde

SCS, Quadra 4, Bloco A, Edifício Principal,
5º andar, Asa Sul, Brasília-DF
CEP: 70304-0000
+55 61 3213-8387 / +55 61 3213-8531
Fax: +55 61 3213-8404



revista.svs@saude.gov.br / ress.svs@gmail.com